sexta-feira, 21 de maio de 2010

A MENSAGEM DA CRUZ

Mais perto

http://www.youtube.com/watch?v=V_RfWCNc9jo

BUSCA

BUSCA – Pr Ari Pinheiro


Busquei-te tanto, tanto
Até na luz do amanhecer
Mas a nuvem outonal
Fez o brilho esmaecer
Procurei-te nas cascatas
Que as represas sepultaram
Busquei-te nas chuvas de abril
Que os sóis de maio levaram...


Fui te procurar nos campos
Por restingas e capões
Busquei-te nas casas grandes
Nas prosas junto aos fogões
Não estavas nas varandas
Não estavas nas soleiras
Não estavas no riacho
Que fica além da porteira...

Busquei-te nas bibliotecas
Nos livros de letras frias
E descobri que não vives
Entre palavras vazias
Libertei-me das paredes
Calcei asas sobranceiras
Fui te buscar nas alturas
No cume das cordilheiras


Mas não estavas no monte
De florestas boreais
E nem sequer entre a fauna
Que habita os pinheirais
Não estavas nos abismos
Dos mares eras ausente
Não te achei em toda a terra
Apesar de onipresente!

Ao regressar da jornada
Mergulhado em frustração
Fui meditar em silêncio
Na sala do coração
Foi ali que descobri
Que a busca chegara ao fim
Pois Deus que eu buscava fora
Morava dentro de mim!!!

A IGREJA QUE TEMOS E A IGREJA QUE QUEREMOS

Hoje temos uma igreja centrada em administrar o imenso patrimônio amealhado ao longo dos últimos cem anos. É uma herança de prédios em todos os município do Brasil, senão em todos, na grande maioria. Quando falo igreja, falo na Igreja de Cristo, que vai bem além das denominações que proliferam por aí. Falo dos membros que congregam em cada uma destas denominações.

Cada uma delas requer para si o direito de ser a “igreja verdadeira”, a que tem os melhores costumes, a melhor doutrina, os melhores cantores, os maiores pregadores e etc; quando sabemos que a igreja verdadeira é aquela que está dentro de nossos corações, nosso templo particular, catedral própria de adoração à Deus, morada do Espírito Santo.


A igreja que temos hoje é especialista em mega eventos para crentes, sabe tudo de evangelizar os já evangelizados, aplica grandes somas para trazer pregadores em nome de um avivamento que devia arder no peito de cada um de nós e não no fervor da pregação deste ou daquele. Senão vejamos: Congresso da Juventude. Para quem? Jovens Cristãos! Aniversário da Congregação. Para quem? Para os congregados e demais congregações convidadas! Aniversário do Círculo de Oração. Para quem? Para o Círculo de Oração aniversariante e demais círculos convidados! Aniversário do Coral. Para quem? Igrejas e demais corais convidados!

A igreja que temos gasta, em nível de Brasil, apenas 5% para sustentar a obra missionária, menos de 10% nas obras sociais, e o resto é para construção e manutenção de templos e da máquina administrativa. A igreja que temos hoje gasta mais tempo atirando pedra nas co-irmãs do que combatendo contra o mal, gasta mais tempo em contendas e políticas internas do que no campo evangelístico, tendo mais o hábito da avestruz (enterrar a cabeça no buraco) do que o olhar de águia, que vê as coisas do alto e tudo decifra pelo poder do Espírito.

A igreja que queremos é aquela que ministra o louvor, e não se conforma com os preciosismos e shows de nossos “artistas”, mais preocupados com a imagem na mídia do que com a consagração à Deus, diante do enorme ministério que receberam. Entre cantar e ministrar o louvor na casa do Pai existe uma diferença maior do que sonha nossa vã filosofia! Mas quem é que ensina isso nos altares?

A igreja que queremos é aquela onde os diáconos saibam que cabe a eles descobrir quantos necessitados existem em nossa paróquia, organizar campanhas e prover o sustento das viúvas e órfãos. Alguém já disse ao corpo diaconal que a função dele não é meramente ajudar a servir Santa Ceia uma vez no mês?

A igreja que queremos é aquela em que os presbíteros (anciões), sejam consagrados para orar com imposição de mãos e ungir com óleo os enfermos, e não para ocupar cargos administrativos ou enfeitar os púlpitos dos templos. Alguém já disse que presbitério é para isso? Qual foi a última vez que nossos presbíteros visitaram o hospital ou um asilo?


A igreja que queremos é aquela em que os evangelistas levantam cedo vão a luta, visitando, pregando, informando, convidando, ou seja, evangelizando! Trazendo almas para o aprisco do Senhor. Hoje nós temos mais evangelistas pastoreando do que evangelizando, e ficamos preocupados com a estagnação! Qual foi a última vez que nossos evangelistas colocaram o pé no barro? Hora, a engrenagem tem que ser azeitada com o óleo puro, cada peça deve ocupar o seu lugar, ou a máquina não vai a lugar nenhum.

A igreja que queremos precisa de pastores nos altares! Como assim? Pastores, sim senhores! Com atributos pastorais. Quais? Em primeiro lugar amor, mas não este que anda por aí, que pode ser tudo, menos o amor cristão. O amor em pauta aqui é aquele da Bíblia. Lembram? “Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, e não tivesse amor, seria como o metal que soa ou como o címbalo que retine. E ainda que tivesse o dom de profecia, e conhecesse todos os mistérios e toda a ciência, e ainda que tivesse toda fé, de maneira tal que transportasse os montes, e não tivesse amor, nada seria. E ainda que distribuísse todos os meus bens para sustento dos pobres, e ainda que entregasse o meu corpo para ser queimado, e não tivesse amor, nada disso me aproveitaria. O amor é sofredor, é benigno; o amor não é invejoso; o amor não se vangloria, não se ensoberbece, não se porta inconvenientemente, não busca os seus próprios interesses, não se irrita, não suspeita mal; não se regozija com a injustiça, mas se regozija com a verdade; tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta. O amor jamais acaba... (I Coríntios 13:1-8)

Outros atributos, por mais nobres que sejam, não terão maior importância que o amor, pois com ele a mensagem será de carinho, de aconchego, de passar óleo nas feridas, de ninar, de dar colo. Ser pastor é ir no meio dos espinhos buscar a ovelha perdida, é sofrer nos pés os calos dos pedregais, é usar o cajado com sinete para guiar e não para dar na cabeça das ovelhas. É pregar sorrindo no culto de domingo, mesmo sabendo que alguém se prepara para o beijo de Judas na segunda-feira.


Ser pastor é chorar sem se conformar com a igreja que temos, e lutar diuturnamente para a construção da igreja que queremos!
Pr. Ari Pinheiro

quinta-feira, 20 de maio de 2010

quinta-feira, 13 de maio de 2010

UM HOMEM QUE CANTA TRISTE – Ari Pinheiro

Quando alguém canta a saudade
Que habita dentro de si

É porque a mente voa por aí

Igual as plumas de verão

Que levemente se vão

Buscando novas paisagens
Querendo as velhas imagens
Que havia em suas paredes
Fontes que matavam a sede
E que o tempo fez miragem...




As novidades são nada
A quem amou com paixão
E escolheu a solidão
Como parceira de estrada
Não tem rumo a caminhada
Tudo é ponto de partida
Se a alma está ferida
E é profundo o ferimento
A lembrança é o fermento
Que azeda o pão da vida...




Não há rosas no jardim
Não há sumo nas maçãs
E o dourado das manhãs
É mortalha encomendada
Para uma morte anunciada
Neste andejar estreito
O que parece não ter jeito
É porque realmente não tem
E é melhor não ser ninguém
Que ter nada dentro do peito...


Quando alguém canta a saudade
Curtido de mágoa e dor
E chora a ausência do amor
Que voou do coração
Ninguém entende a razão
Para tão cruel tormento
Não entendem que o alento
Pra quem anda nesta estrada
Está nos braços da amada
A razão de seu lamento...



De nada valem afagos
E violas enluaradas
Festas e madrugadas
Com gente sorrindo perto
Se na alma há deserto
É longínquo o horizonte
Sobram tristezas aos montes
A própria vida se ausenta
E a alma morre sedenta
Com os pés dentro da fonte!




Quando um homem canta triste
É melhor deixar cantar
Que este canto é um chorar
Que brota do coração
Só ele entende a razão
De soltar o pranto ao léu
Debaixo do seu chapéu
Só ele sabe o que existe
Pois um homem que canta triste
Está mais perto do céu!


terça-feira, 11 de maio de 2010

Minha mãe, eu e o picador de lenha - Pr. Ari Pinheiro

Eu era criança E via minha mãe lançar mão do machado
E ir-se rachar lenha...


Ficava imaginando o que pensava
O que falava com Deus
Enquanto brandia o machado
Cada vez mais forte contra os troncos
De cerne cujo destino era o fogão...


Hoje eu sei que ela não picava lenha
Mas a cada machadada
Ia picando suas mágoas
Suas desventuras
Suas lutas...


Parecia perguntar ao Senhor
Porque tão pesado fardo
Para um corpo tão frágil...
Se algumas queixas sobravam
Vinham com as achas
E viravam fumaça no fogão...

Um dia também fui ao picador de lenha
E aprendi a deixar lá
Minhas raivas de adolescente
Minhas angústias
Minhas incertezas...


Meu primeiro psicólogo
Foi o picador...

Um dia dei a última machadada
E me fiz de viagem para o mundo...
Troquei o picador pelos comprimidos
De Diazepan, Hidantal e outras drogas
Que não tinham o mesmo efeito
Do velho picador de lenha
Da minha infância...

Foi assim até o dia em que Jesus me resgatou
E trocou todos os meus fardos
E comprimidos pela doçura
de sua mensagem...


Hoje eu sei que o velho picador me preparou
A mente e o corpo
Para enfrentar as lutas de agora...
Só hoje posso entender como minha
mãe venceu sem psicólogos ou remédios...

O velho picador de lenha
Continua ditando mensagens
Pelos recantos da memória
Enquanto Jesus Cristo sara nossas feridas
Com o seu sangue remidor...


Hoje, nem remédios nem picador,
Só a palavra de Deus
E Seu infinito amor
Substituem o som do velho picador!

segunda-feira, 10 de maio de 2010

DESOLAÇÃO

(Ari Pinheiro)

Hoje sem querer escutei teu choro
Senti o gosto de tuas lágrimas
Mesmo aqui, tão distante...
O vento andarilho me contou
Dos tremores do teu corpo
E me mostrou as feridas
De um coração que sangra...


A praia deserta me mostrou passos antigos
De um tempo velho
Quando que ainda caminhavas comigo...


Então a minha dor misturou-se com tua
E eu me contorci e chorei
Prostrado sob a luz da lua...


Chorei as lágrimas tuas
Tremi os tremores teus
E do teu coração as feridas
Abriram chagas no meu...


Hoje, sem querer
Recordei nossos amores
E entendi por que nos meus versos
Nunca mais nasceram flores
É por que minha alma anda estéril
Assolada por nossas dores!!!

sexta-feira, 7 de maio de 2010

DE ONDE VIVE A SAUDADE

 (Ari pinheiro)


Queres realmente saber do que sinto falta?
Saber de meu mais íntimo anelo?
Posso contar-te
Mas não podes ajudar-me
Já que a minha saudade
É de uma pátria distante
Encravada no coração do universo...
Por isso meu canto...




Deus te abençoe, dizem-me alguns
Seguros de que sabem do que falam...
Mas sinto logo a insegurança
Que transmitem
Esses lábios quando se calam...
Onde não existem oceanos
De nada valem navios
Também não se encontram provisões
Dentro de silos vazios...


E de que vale um céu estrelado
Numa noite de neblina?
E paisagens exuberantes
E noites enluaradas
A quem tem pernas dormentes
E traz retinas nubladas?
Ninguém pode matar a sede
Em fontes esturricadas...


Deus te abençoe, dizem-me alguns
Em vocábulos claudicantes...
Mas pouco sabem de Ti
Pois mais se assemelham a farsantes
Marujos empedernidos
Da nau dos ignorantes...
Esta que muitas vezes
Navega a frente da frota
Insensata capitânia
De fronte erguida
Que por ter bússola partida
Expõe todos à bancarrota!


Deus te abençoe, dizem-me alguns
Sem muita convicção...
Pois na faina de ditar rumos
Já perderam a direção
Guiando rebanhos a esmo
Por estepes ressequidas
Esquecidos que o Rio da Vida
Está dentro da gente mesmo;
E que Teu pasto ondulante
Pelo vento da monção
Nos conforta e nos sacia
E reverdece todo o dia
Nos campos do coração...


Deus te abençoe, dizem-me alguns
Com olhar indagatório
Como se este meu anelo
Fosse um desejo ilusório
Mal sabem que o incensório
Que perfuma os dias meus
Vai demarcando a estrada
Pra minha eterna morada
Esta terra desejada
Que existe além do véu
Meu destino de verdade
Onde vive a minha saudade,
A pátria grande do céu!

terça-feira, 4 de maio de 2010

NASCI DE NOVO! OBRIGADO SENHOR!

(Foto: Pr Nivaldo e Pr. Ari Pinheiro)



Segunda-feira, 03 de maio, era meu dia de folga do trabalho, fui ao culto na igreja onde congrego, na praia de Ingleses. O preletor da noite foi o Pastor Nivaldo, ex padre de Minas Gerais, da cidade de Governador Valadares, o qual Deus usou poderosamente para pregar uma mensagem de fé e arrependimento. Pude sentir o mover do Espírito do começo ao final do culto, quando vinte pessoas aceitaram Jesus e mais seis retornaram para a casa do Pai; de onde uma delas estava afastada havia oito anos. Uma maravilha de culto, desses que ficam marcados a fogo em nossa memória.


Afinal do culto o pastor da igreja pediu uma oferta especial para abençoar o pregador, como após ter dizimado eu havia ficado com apenas R$ 50,00 para a semana, não ofertei nada, e me dirigi para a saída da igreja. Após fazer uma foto junto com pastor Nivaldo encontrei um membro da igreja que me relatou uma dificuldade tremenda em que estava, por força de outras pessoas terem falhado em seus compromissos. Foi a deixa! Retirei os R$ 50,00 do bolso e entreguei a pessoa em questão, e fiquei em paz, pois entendi que esta era a vontade de Deus naquele momento. Já era tarde, em torno de 11 horas da noite, montei minha bicicleta e rumei para o Santinho, onde resido pela misericórdia de Deus.


Ao entrar em minha rua, uma servidão estreita e com pouca luz, tive que ir devagar, pois tem muita areia acumulada na esquina, foi quando saiu das sombras um homem com a cabeça envolta em uma camiseta, com uma mão segurou o guidão da bicicleta e com a outra encostou um revolver em minha fronte. Foi tudo muito rápido, em um segundo passou pela minha mente um filme de toda a minha vida. Lembrei de todas as promessas de Deus que ainda não haviam se cumprido; dos sonhos que ainda não realizei; minha família passou inteirinha pela minha vista, minha mãe, meu pai, irmãos, filho, tudo e todos misturados num turbilhão de adrenalina.


-Me dá a mochila! Esta foi a voz que escutei, que parecia ser de alguém bem jovem, mas soou nervosa e urgente. Com toda a calma que Deus me deu naquele instante, pedi que ele ficasse calmo, que eu ia tirar a mochila das costas e entregar, que podia levar tudo, pedi que não ficasse nervoso, avisei que na minha carteira só haviam sobrado R$ 4,00,mas que ele podia levar assim mesmo, bem como a bicicleta. Apenas pedi que devolvesse minha bíblia, pois ela tinha um valor especial que ele nunca poderia entender, e que ela não ia servir para ele naquele momento. Dentro da mochila estava a máquina fotográfica com as fotos e a filmagem do culto, eu entreguei a mochila suando muito e orando mais ainda, para que tudo terminasse logo, sem que acontecesse coisa pior.


O homem abriu a mochila, olhou a minha bíblia e viu meu nome na capa: Pr. Ari Pinheiro. No mesmo instante colocou a bíblia de volta, escondeu a arma sob o moleton e me entregou a mochila. - Não quero nada com gente de Deus pastor, vá embora, some da minha frente. Um segundo depois, com a voz diferente disse algo que me fez chorar a madrugada inteira:
- Meu nome é Lucas, ora por mim que preciso mudar de vida. Vá embora, não quero nada seu,não . Nem vi direito para onde ele foi, tão apatetado que eu estava. Ainda agora a voz continua na minha mente... Meu nome é Lucas, ora por mim que preciso mudar de vida...


    Se você é uma pessoa de fé, ore pelo Lucas, ele precisa de um milagre na vida dele, assim como este que Deus operou na minha, me dando uma chance a mais de continuar adorando seu nome.


    Deus seja louvado para sempre!