terça-feira, 30 de março de 2010

quinta-feira, 25 de março de 2010

SÓ HOJE!

SÓ HOJE!




   A gente tem que aprender todos os dias, pois a cada manhã, assim como se renovam as esperanças, também se renovam os desafios, e como diz o poeta: “nada do que foi será”. Um dos maiores desafios de cada dia é sem dúvida nenhuma o de renovar nossa aliança com Deus e manter-nos fiel, pelo menos por mais um dia.

   Por mais um dia apesar do enfado; por mais um dia apesar da dor; por mais um dia apesar das lutas; por mais um dia apesar das perdas; por mais um dia apesar das dúvidas; por mais um dia apesar das lágrimas; por mais um dia apesar das injustiças; por mais um dia apesar da hipocrisia; por mais um dia apesar dos sofismas; por mais um dia apesar dos loucos; por mais um dia apesar dos tolos; por mais um dia apesar da estultícia; por mais um dia apesar da barbárie; por mais um dia apesar das traições; por mais um dia apesar das perseguições; por mais um dia APESAR DE NÓS MESMOS!

   Sim, porque para vencer este novo dia é extremamente necessário que vençamos o nosso eu interior, que enterremos nossas certezas e achismos e deleguemos a Deus a condução de nossa nave pela travessia do dia. É de suma importância que o piloto seja Ele, já que existem dias que demoram anos-luz para passar, enquanto outros duram o tempo de uma piscadela!

Assim, quando acordamos e entregamos nossa vida em Suas mãos, somos como o alcoólatra que fica livre do vício até que não prove o primeiro gole. O pecado está a porta, a bandeja está servida, mas temos o livre arbítrio de continuarmos alvos como a neve ou provando dos manjares e bebendo mais um gole em cada esquina.

   Só uma fatia de adultério, um pequeno gole de mentira; uma lasquinha de ódio; um bocadinho só de ressentimento (“me magoei muito, estou deprimido...”); uma pequena porção de sobremesa de não perdão (“afinal o erro foi gravíssimo, isso só Deus pode perdoar!”); um sorvetinho de luxúria; talvez até um quindim de raiva contida (não vou bater nele, ah mas que merecia, isso merecia...).

   É assim que perdemos o dia, é assim que enterramos nossos talentos, é assim que morremos para nós mesmos e viramos as costas para Deus. É assim que estragamos uma manhã que nasceu perfeita e que poderia ter se tornado um grande dia de vitória. Não perdemos para o diabo, não perdemos para o mundo; perdemos para nós mesmos ao usarmos mal a liberdade que Deus nos dá todas as manhãs.

 Só hoje, vamos acertar, eu e você, que seremos fiéis ao Senhor; que só hoje faremos a vontade do Pai. Amanhã eu volto para renovar este convite, espero que você esteja na vertical para prometer comigo!

ISAIAS 45, 2-3

quarta-feira, 24 de março de 2010

O mistério da graça de Deus

   Coisas incríveis acontecem nos lugares mais inóspitos possível. Eu meditava sobre isso uma noite destas ao descer do monte, solitário, lá pelas três da manhã. Uma garoa fina havia me molhado o corpo por mais de duas horas nas escarpas do Costão do Santinho, mas, mesmo assim eu ainda estava suado. Deus havia falado comigo muito de perto naquela madrugada e eu meditava sobre várias coisas, principalmente sobre aquelas que parecem não ter uma explicação lógica. Ele confortava meu coração fazendo com que as lágrimas lavassem minha alma ferida. Mais uma vez fui aos pés da cruz de Cristo, me derramei, me despojei, me confessei e contei de minhas dores, as quais, aliás, Ele sabe de cor e só Ele tem o lenitivo.


 
   Foi descendo o monte tentando entender as afrontas sofridas nos últimos tempos que me lembrei de uma passagem bíblica muito pregada pelos púlpitos do mundo inteiro. Paulo e Silas na prisão. Eu pensei: Porque Deus permitiu que eles fossem presos? Porque permitiu que fossem surrados daquela maneira? E mais, a maior vergonha para um semita, ficarem despojados de suas vestes, sangrando na masmorra? Eu praticamente inquiria Deus naquele momento, sentindo a leve garoa agora um pouco mais gelada. – Por que senhor, porque permitiste tamanha dor aos teus apóstolos que estavam apenas fazendo a vontade do teu Filho?


 
   Foi então que pude ouvir Sua voz de uma maneira como nunca tinha ouvido antes, não no ar, mas lá dentro da mente, esclarecedora, redentora, acalentadora como só a voz Dele pode ser. Minhas lágrimas se misturaram com a chuva fina e em poucos segundos eu soluçava alto, pondo-me de joelhos na trilha pedregosa me derramei mais uma vez em Sua maravilhosa presença. Sua voz havia sido clara e direta: - Como você acha que a salvação chegaria até a casa daquele carcereiro, como seria ele alcançado; como a salvação alcançaria toda a sua família?


 
   Há um meio para se chegar a qualquer objetivo no universo, e este meio nem sempre segue os padrões estabelecidos pelo ser humano. Minha presença ali naquela trilha, naquela hora da manhã era a prova disso. Há coisas que só entenderemos depois de muito tempo, e há outras que talvez nunca venhamos a entender em plenitude, pois o grande mistério da salvação é que ela brota do sagrado, do inatingível ao espírito humano. John Newton, ainda antes de se tornar cristão era capitão de um navio que transportava escravos, e lá, ouvindo apenas os lamentos dos prisioneiros e o barulho do mar, usou as cinco notas da escala escrava, ou escala musical primitiva(escala pentatônica), como bem conhecem os estudantes de música, e compôs uma das melodias mais amadas no meio cristão, Amazing Grace (Graça Maravilhosa). Há quem acredite que ele compôs a letra e apenas a ajustou a uma melodia escrava já existente. Certamente ele se lembrava dos lamentos da África Ocidental, que perdia filhos, reis e príncipes para serem a principal força de trabalho de uma nação que recém emergia do berço. O certo é que do convés daquele navio, onde só havia dor e sofrimento, brotou a canção que tem tocado corações ao redor do mundo inteiro. Até mesmo Elvis Presley a deixou registrada em sua história musical.


 
   Onde isso nos leva? Que coisas incríveis acontecem em lugares onde o olho humano só enxerga o sofrimento. Deus está lá, e seu poder criativo pode se manifestar a qualquer instante, seja como um vento veemente que abre as cadeias e faz tremer os valentes, ou simplesmente como inspiração para a composição de uma doce canção, com a qual muitas almas serão arrebanhadas ao Seu aprisco. Desde então as minhas orações mudaram. São orações de perdão e agradecimento. Não importa o quanto eu ainda tenha que chorar ou o tamanho do deserto que ainda tenha que passar; aprendi que Ele estará comigo e que sua graça será sempre a inspiração para mais um dia de luta. Oh graça maravilhosa esta de poder crer em um Deus que tudo pode!

quarta-feira, 17 de março de 2010

Meu pé de araçá

   Um dia plantei um pé de Araçá do campo em um canto do pátio. Cinco anos e nada de frutas. Comecei a pensar em me livrar do arbusto que já estava tomando ares de árvore grande, fazendo até sombra para o chimarrão do final da tarde. A sombra era boa, mas eu queria frutos, pois eu bem sabia o quanto eram saborosos os frutos daquela espécie.
   Um dia resolvi tomar uma atitude mais drástica. Podei alguns ramos bonitos do Araçá! Tirei vários galhos, dei nova forma a sua copada, observei sua linha vertical agora mais valorizada pela poda e vi que o serviço ficara a contento. Gostei do que restou, embora ainda sem frutos. Resolvi então dar uma nova chance ao arbusto, e qual não foi minha surpresa que na próxima estação de flores e frutos lá estavam 4 flores, do que restaram seus dois primeiros frutos, lindos, bonitos mesmo.
   No próximo ano a frutificação veio farta, com o apogeu do antigo arbusto que agora era uma bela árvore frondosa, de um verde acolhedor e fruto suculentos. mais um tempo e uma piscina ocupou o quintal, e o araçá ficou bem no canto, como uma moldura para o lago artificial, um pouco de vida real onde a ficção plantava raízes, uma banheira de fibra se fingindo de lagoa nos limites do quintal.
   Assim é a vida. Você está plantado em uma zona de conforto, está frondoso até, mas seus frutos, ou não existem ou ainda não estão prontos para os paladares mais refinados. Deus então vem com seu alicate e faz uma poda, as vezes até meio radical. Você sofre, você chora, você lamenta as perdas de coisas que você julgava tão importantes; até que na primavera chegam novas flores, novos brotos e você começa a ver frutos de uma sabor que você nem sabia que existia.
   Este é o agir de Deus, este é o trabalho do Divino Jardineiro, este é o resultado da poda que você precisava e muitas vezes relutava em aceitar. Olhe agora seus frutos, maiores, mais vistosos, suculentos e apreciáveis à vista! Você frutifica quando deixa-se podar, quando aceita a correção e entende as mudanças. Entenda isso e na próxima estção serás surpreendido pelo cheiro de novas flores e frutos!

terça-feira, 16 de março de 2010

ESTÁ CHEGANDO O SALVADOR

http://www.youtube.com/watch?v=fp7UTjvGOts

quarta-feira, 10 de março de 2010

O Divórcio de Benny Hinn


   Benny Hinn enviou uma declaração de três páginas de seus membros, explicando que seu ministério não tem fundamentos bíblicos para sua esposa Suzanne Hinn pedir o divórcio.


   Hinn disse que sua esposa estava sob grande pressão, mas nem ele nem os seus filhos “nunca teria esperado que isso acontecesse.”

   Na sua declaração diz: “Eu também espero que você, meu parceiro querido, sei que não havia absolutamente nenhuma imoralidade envolvidas na minha vida ou a de Suzanne, nunca”, diz Hinn seus parceiros no comunicado. “Nós dois mativemos nossas vidas limpas e completamente devotados um ao outro por 30 anos de casamento.”

   Suzanne Hinn apresentou papéis do divórcio no tribunal de Orange County, Califórnia, 1 de fevereiro citando diferenças irreconciliáveis. Nos documentos mencionados os dois haviam se separado desde 26 de janeiro. Hinn insistiu em que a ação de sua esposa era um impacto sobre a família.



   “Suzanne nunca deu sequer um indício de que isto estava em sua mente”, disse ele. “Até agora, as crianças e eu não sabemos porque ela fez isso.”

O evangelista continua a exortar os seus seguidores a orar pela cura de sua família. Ele diz que odivórcio irá impedí-lo de cumprir o seu chamado ao ministério.

“Eu quero vocês como meus parceiros neste ministério, sei que vou continuar pregando o Evangelho e orar pelos doentes como tenho feito há 36 anos. Eu não vou deixar nada me impedir “, disse ele.

sábado, 6 de março de 2010

Dia Internacional da mulher

No dia internacional da mulher eu gostaria de homenagear todas as grandes mulheres que fizeram a história da humanidade.

Começo por Eva que inaugurou o ciclo trazendo ao mundo os primeiros filhos paridos. Benditas todas as mulheres, Marias, Leonildes, Anitas, Diamantinas, Juanitas, Anas, Marlises, Josefas, Madalenas, Maras, Erundinas, Lenires, Mírians, Silvanas, Fabianas, Márcias e tantas outras por aí; amadas, amantes, ricas, pobres, respeitadas, vilipendiadas, lembradas, esquecidas, enfim, vividas.


Mulheres como Ana Neri, Condoleza Rice, Luiza Erundina, Hilary Clinton, Madre Tereza de Calcutá, Michele Obama, Pra Olferina Reis, Pra Ana Lúcia, Pra Maria da Penha... Tem também as mulheres que fazem cafezinho no shopping, que varrem o chão da cidade, que catam comida e gastam a vida no lixão das grandes metrópoles!



Lindas todas, apesar das diferenças; benditas todas, apesar dos destinos distintos!



Quando o homem finalmente se der conta do quanto deve ao ser feminino, talvez lembre que as portas do inferno ou do paraíso sempre são abertas ou fechadas por elas; e então, se lhe sobrar um pouco de bom senso, passe a respeitá-las e amá-las como realmente merecem!


Neste dia Internacional da Mulher gostaria de externar meu amor e respeito por todas as mulheres do mundo, e lembrar aos irmãos masculinos que o Dia da mulher dura 365 dias no ano!


Abraços fraternos em Cristo Jesus!

Pastor Ari Pinheiro