terça-feira, 24 de março de 2009

Basta ser evangélico para mudar o mundo?

Pr. Ari Pinheiro
Esta é uma pergunta com a qual nos deparamos freqüentemente, e na maioria das vezes é feita no sentido de pegar os pregadores pela palavra, ou como diz o jargão popular, no contrapé.
Num tempo em que ser evangélico virou moda, é muito perigoso pregar o evangelho do minimalismo, sem se preocupar com o pós-conversão. Muitos se apegam a versículos bíblicos meticulosamente escolhidos para justificar o injustificável. É muito comum recém convertidos ao evangelho citarem a passagem: “Crê no Senhor Jesus e será salvo tu e a tua casa” (Atos 16.31) como a justificativa para sua salvação. E às vezes até mesmo pregadores, no afã de arrebanharem membros para suas denominações, acabam deixando subentendido que se o homem crer em Jesus Cristo, logo está salvo. Mas é preciso mais, é preciso aprender a Palavra de Deus como um todo; é preciso pelo menos ler os próximos dois versículos da mesma passagem para termos o completo entendimento do que é crer em Jesus cristo. “Então lhe pregaram a palavra de Deus, e a todos os que estavam em sua casa. Tomando-os ele consigo naquela mesma hora da noite, lavou-lhes as feridas; e logo foi batizado, ele e todos os seus.”(atos 16:32-33).
Fomos chamados para fazer a diferença, para ser luz e sal, para ser o tempero deste mundo, para que ele não apodrecendo totalmente, possamos povoar o céu com a maior quantidade de almas possível. Temos que ensinar a criança no caminho que deve andar, ou seja, o novo convertido precisa saber que crer em Jesus Cristo implica conhecer a Palavra de Deus; implica em ser batizado; implica em ser discipulado; implica em ser instruído com paciência para que cresça em fé e graça e, conseqüentemente, receba a vida eterna, coroação máxima de nossa carreira terrena.
Não basta ser evangélico, tem que crer em Jesus Cristo, tem que ser fiel aos seus mandamentos, tem que se converter dos maus hábitos, tem que ser exemplo para a sociedade; para a família; para os amigos; para a igreja. Se o fato de ser evangélico apenas mudasse alguma coisa, cidades como o Rio de Janeiro seriam o paraíso, pois hoje as estatísticas mostram que mais de 60% dos moradores da capital são crentes. Não adianta ser membro domingueiro, ou crente congregado, mais fiel ao banco da igreja que o próprio prego que segura as tábuas. Não, é preciso mais, é preciso comer da Palavra, é preciso pregar a Palavra, é preciso orar e jejuar para entender qual é a perfeita vontade de Deus para nossas vidas.
O que muda a realidade de nossa casa, nossa rua; nosso bairro; nossa cidade; nosso estado e nosso país é o testemunho diário de nossa conversão e fé em Cristo. De nada adianta pregar que Deus é amor, é perdão e misericórdia se não nos damos com nosso vizinho, se temos mágoas guardadas com parentes, se ruminamos ódios antigos por coisas que nos fizeram no passado. Se converter é nascer de novo, não é ser evangélico, é ser nova criatura, é ter a certeza de que as coisas velhas já passaram e tudo se fez novo. Isso é ser impactante, isso sim é ser agente de mudança na sociedade doentia do século 21!

Um comentário:

Bianca disse...

Se não temos tempo, arrumamos! rs
Bendita seja a hora em que me enviou o convite, e bendita seja a hora em que li este texto maravilhoso, confirmando o que Deus quer de mim em minha casa. Bênção pura!
Obrigada =)